Então, eu conto: Branco Leone, Marconi Leal e Paulo Polzonoff Djâniar estão (estamos) começando a fazer uns planos, aprontar umas boas. Nada sério, mas depois do que pretendemos realizar, algumas palavras e expressões que usamos correntemente mudarão de sentido. “Vergonha na cara”, por exemplo, é uma delas. “Não tem mais o que fazer não, ô filhos da puta” também.

Segura aí. É rapidinho. Coisa de um mês ou dois. Enquanto isso, vai tentando adivinhar nos comentários. Referências a práticas homossesuais serão respondidas com um “dã”.

Anúncios