You are currently browsing the monthly archive for fevereiro 2007.

Desta vez, é a premiada série de advertências do Ministério da Saúde, todas num post só. Bom gosto à toda prova. Parafraseando Mr. Creosote, “better get a bucket, you’re going to throw up.

Anúncios

Não se anime. Isto é apenas o título de um texto que jamais escreverei, por falta de paciência de procurar assunto que se encaixe a ele. Se dias atrás escrevi um post sem título, por que não poderia depois fazer um título sem post?

Se és capaz de convidar quem nunca viste,
Comprar carnes, cervejas e saladas,
E arrumar cadeiras na varanda;

Se és capaz de abrir a casa a estes tipos,
Recebê-los como se os tivesses visto ontem,
E com eles rir, beber, comer e rir de novo;

Se és capaz de manter a tua calma quando
A carne do churrasco está acabando
Mesmo que ninguém ao teu redor te culpe;

Se és capaz de conversar de mil assuntos,
e Pessoa e Tarkovski te emocionam,
e não pareces bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de gritares palavrões
Às crianças, adultos e vizinhos,
E conseguires só risadas em resposta;

Se te portas por trás de negros óculos,
de maneira que o vulgo, atento ou distraído
não saiba que a emoção te ronda e qual;

Se és capaz disso tudo, puta merda,
mais que um homem, meu amigo,
serás um Biajoni!

Obrigado, Bia!

E pra quem não conhece o original…

Tem mais dois velhos posts novos no Vale a pena verde novo. Vai lá, vai.

Só mesmo um idiota para escrever três anos num blog, arquivar tudo para, um dia, ir fuçar no entulho, selecionar um quarto do lixo (jogando outros três quartos fora), publicar um livro e, depois, olhar pro que sobrou e dizer “e agora, o que eu faço com isso?”. Pois é.
Então, comemorando os três anos de asneiras e grosserias, começo a republicar os arquivos que não mereceram ir para o papel, mas que resisto a me desfazer, e apresento o Vale a pena ver de novo??, uma espécie de blog-purgatório para meus posts. Acho que consigo republicar tudo até o aniversário do blog, 10 de março.
As vantagens disso são muitas: você fica com a impressão de que eu ando escrevendo, mata a saudade (se há alguma) dos posts mais antigos, quem chegou agora fica conhecendo um pouco mais e, quem sabe, consigo reverter o mau-humor do Google que, de um dia para o outro, zerou minhas visitas depois que saí do Blogspot.

Completando hoje seus 79 anos — e nem por isso tendo atingido o metro e meio — a velha senhora de pele e cabelos muito brancos entra no consultório espiando tudo com olhos muito azuis. Senta-se e examina a doutora que, por sua vez, mede-a com olhos e régua, pesa-a, pergunta, preenche a ficha.
— De onde a senhora é?
— Pernambuco — responde, com forte sotaque de Pernambuco.
— Tão branquinha assim, e de olhos tão azuis? — estranha a assistente da doutora, dando mostras que desconhece a história do Brasil.
— Pernambuco foi onde estiveram os holandeses por muito tempo — esclarece a doutora, e continua, mas agora falando à velha — A senhora tem ascendência holandesa?
— Meu avô era estrangeiro. — começa a velhinha — Chegou num navio, há muito tempo, mas ele dizia que a viagem foi tão longa que nem se lembrava mais de onde tinha vindo.
— Como se chamava seu avô? — pergunta a médica.
— Manuel — responde a paciente.

São Paulo é a Internet no estado sólido.

Update: o visitante freqüente deve ter percebido que este post (se é que isto chega a ser um) nasceu sem título. Há coisas assim, que nascem pelas pernas traseiras.

Sempre achou que tivesse um lindo e transbordante par de peitos. Gostava tanto deles que nem dava falta dos mamilos que não tinham. Mas um dia, ao acariciá-los por inteiro, por baixo, pelos lados, pelo meio, percebeu que havia um furo entre eles. Era um cu. Concluiu então que tinha andado a acariciar a bunda desde a tenra adolescência.

Nada se compara ao poder propagador da televisão. Então, considerando que o Iutube é a televisão do nosso século, apresento-lhe, distinto(a) leitor(a) [e futuro(a) comprador(a)], numa arrojada iniciativa, o mais novo (e único) comercial do livro ‘Os melhores (e alguns dos piores) textos de Branco Leone’, num estilo… digamos… um tanto ‘polixópe’, mas bastante informativo, creio.
Assista, divulgue, embéde e/ou linque no seu blog. Tem a minha benção. Mais 5%.

Update: Se no seu computador o arquivo do Youtube não baixa nem sai de cima, clique aqui e baixe na marra.